Avan√ßar para o conte√ļdo

Entrevista a Vanessa Matos

Entrevista a Vanessa Matos

8

Vanessa Matos

Licenciada em Engenharia Biomédica e frequenta atualmente o Mestrado em Engenharia Biomédica, Ramo de Electrónica Médica pela Universidade do Minho (UM)

A ANEEB teve o prazer de entrevistar Vanessa Matos,  licenciada em Engenharia Biomédica, que frequenta atualmente o Mestrado em Engenharia Biomédica, Ramo de Electrónica Médica pela Universidade do Minho (UM). A Vanessa contou-nos a sua experiência na Alemanha, e como esta contribui para o seu percurso profissional e pessoal.

[Entrevistadora] ‚Äď Ana Pinto (ANEEB)

[Entrevistada] ‚Äď Vanessa Matos

 

Vê aqui a Entrevista completa!

[Entrevistadora] ‚Äď Ol√° Vanessa! Pedia-te que me contasses onde √© que realizaste a tua experi√™ncia internacional, qual a dura√ß√£o e de uma forma geral no que consistiu.

[Entrevistada] ‚Äď O est√°gio que frequentei, mais precisamente summer school, realizou-se na Universidade Jade Hochschule na Alemanha, Wilhelmshaven. O programa de est√°gio √© constitu√≠do por tr√™s tipos de est√°gios diferentes: Princ√≠pios b√°sicos da Engenharia Biom√©dica, Princ√≠pios avan√ßados em Engenharia Biom√©dica e Microflu√≠dica associada √† Engenharia Biom√©dica.

Eu integrei o est√°gio Princ√≠pios b√°sicos da Engenharia Biom√©dica, que teve a dura√ß√£o de 3 semanas, sendo que a cada semana t√≠nhamos um tema diferente: o primeiro era relacionado com gest√£o de projetos, o segundo consistia na modeliza√ß√£o biomec√Ęnica de sistemas implant√°veis e o terceiro relacionado com Intelig√™ncia Artificial. No final de cada semana, ou seja, de cada projeto, realiz√°vamos uma apresenta√ß√£o para a turma sendo que o √ļltimo projeto foi apresentado para toda a equipa e estagi√°rios.¬†

[Entrevistadora] ‚Äď A forma√ß√£o base dos estagi√°rios tinha que ser Engenharia Biom√©dica? Nos projetos semanais que realizavam estavas inserida nalguma equipa?

[Entrevistada] ‚Äď N√£o, haviam pessoas de diversas √°reas, por exemplo, Engenharia Mec√Ęnica, Bioqu√≠mica, Mecatr√≥nica, entre outros, sendo que a maioria eram de cursos de Engenharia.

Os trabalhos eram em grupo, preferencialmente com estagiários de países diferentes, de modo a termos uma experiência multicultural e diferente. O meu grupo era composto por mim e dois colegas de nacionalidades chinesa e mexicana.

[Entrevistadora] ‚Äď Como √© que surgiu a oportunidade do est√°gio? O que te levou a teres essa experi√™ncia?

[Entrevistada] ‚Äď A Universidade do Minho e a Universidade Jade Hochschule t√™m parceria em algumas √°reas e quando a Universidade Jade Hochschule lan√ßou o est√°gio abriram vagas para os estudantes da Universidade do Minho. Ap√≥s ter tido conhecimento do est√°gio procurei saber mais e vi que os temas que iam ser abordados eram na √°rea de Engenharia Biom√©dica, sendo que alguns deles ia abordar no mestrado, despertando o meu interesse.

Uma das raz√Ķes que me levaram a concorrer foi o meu interesse pelo Alem√£o. No 2¬ļ semestre no meu 3¬ļ ano frequentei o curso n√≠vel A1 de Alem√£o pelo BabeliUM na Universidade do Minho e mais tarde decidi tirar um curso intensivo de Alem√£o, tamb√©m este pelo BabeliUM. Como √© uma l√≠ngua que me chama aten√ß√£o e j√° tinha algumas bases achei que seria uma boa experi√™ncia aplicar os meus conhecimentos num meio em que o idioma falado √© o Alem√£o.

[Entrevistadora] ‚Äď Qual o maior obst√°culo que tiveste que enfrentar?

[Entrevistada] ‚Äď N√£o acho que tenha tido qualquer obst√°culo pois como fui com mais dois colegas, acab√°mos por nos apoiar uns aos outros. A n√≠vel da l√≠ngua, sendo que utiliz√°vamos o ingl√™s para comunicar, n√£o senti qualquer dificuldade uma vez que sou fluente.¬†

[Entrevistadora] ‚Äď Aconselhavas algu√©m a ter a mesma experi√™ncia no estrangeiro?

[Entrevistada] ‚Äď Sim, sem d√ļvida! Aconselhava qualquer pessoa a ir, mesmo n√£o sendo o mesmo est√°gio que eu frequentei. √Č uma experi√™ncia muito boa, para desenvolver/aprofundar uma l√≠ngua, conhecer outras culturas, obter conhecimentos na nossa √°rea. Ajudou-me a perceber que os nossos conhecimentos s√£o v√°lidos e conseguimos fazer a diferen√ßa num meio diferente do nosso.¬†

[Entrevistadora] ‚Äď Como √© que era distribu√≠do o vosso tempo? Tiveste tempo para estares tanto na Universidade como a conhecer¬† Wilhelmshaven?

[Entrevistada] ‚Äď As aulas eram sempre de segunda a sexta, das 9h √†s 12h e das 13h √†s 16h. A partir das 16h t√≠nhamos atividades organizadas pela equipa que organizou o est√°gio, como por exemplo concertos, piqueniques‚Ķ. Os fins-de-semana eram reservados para lazer. Conhecemos duas principais cidades, Bremen e Hamburgo,¬† e visitamos empresas¬† ligadas √† √°rea da Engenharia, como por exemplo a L√∂wenstein Medical, uma empresa de equipamento m√©dico.

[Entrevistadora] ‚Äď Tiveste dificuldades a arranjar alojamento?

[Entrevistada] ‚Äď At√© ao ano 2018/19 o alojamento que o est√°gio contemplava era localizado num hostel. No ano em que fui, como este hostel se encontrava em obras, ficamos alojados num barco, o que foi muito interessante e diferente.¬†

[Entrevistadora] ‚Äď Que conselho darias a uma pessoa que vai realizar um est√°gio no estrangeiro?

[Entrevistada] ‚Äď A pessoa quando regressa sente sempre falta de estar l√°, por isso o meu conselho √© aproveitar ao m√°ximo o tempo que l√° est√£o, tentar adquirir o m√°ximo de conhecimento poss√≠vel, seja dentro da vossa √°rea como de √°reas distintas e trocar experi√™ncias com as pessoas que v√£o encontrar, porque √© isso que vai criar a vossa pr√≥pria experi√™ncia. N√£o tenham medo de ir, de arriscar e de sair da vossa zona de conforto, √© fora desta que conseguimos evoluir. √Č uma experi√™ncia que nos enriquece tanto a n√≠vel pessoal como profissional.¬†

[Entrevistadora] ‚Äď Muito obrigada por teres aceite o convite da ANEEB e muito sucesso para o ano que se avizinha.

[Entrevistada] ‚Äď Obrigada!

A ANEEB agradece por teres aceite esta entrevista e pela partilha da tua experiência fora de Portugal, esperando com isto ajudar outros estudantes que estejam prestes a tomar esta decisão. Votos de sucesso