Nos passados dias 26, 27 e 28 de março, a ANEEB assinalou presença na décima segunda edição do Symposium on Bioengineering, o maior evento de Bioengenharia em Portugal, organizado pelo Núcleo de Estudantes de Bioengenharia (NEB). O evento anual é baseado em três princípios: excelência científica, inovação, e acesso global acessível. Estes três aspetos certamente não ficaram abaixo das expectativas, contando com painéis de oradores nacionais e internacionais de qualidade excepcional, bem como uma plataforma que permite a participação a partir de qualquer lugar.

À semelhança da edição do ano passado, o evento teve formato online, devido à situação pandémica atual, sendo hospedada na plataforma Airmeet. Porém,a transição não afetou de forma significativa a dinâmica do evento, contando com atividades e workshops nos mais diversos temas, como as sessões de Speed Dating, que ofereciam a possibilidade dos participantes conversarem com os oradores e entidades parceiras de forma casual, proporcionando a oportunidade de networking num ambiente pessoal.

O primeiro dia do evento foi dedicado a workshops ques abrangiam os três ramos de Bioengenharia: Engenharia Biomédica, Biotecnologia Molecular e Engenharia Biológica, incluindo assim os mais diversificados temas, desde Machine Learning até Gastronomia Molecular, passando ainda por 3D Bioprinting e BITalino, garantindo uma variedade que assegura uma experiência personalizada a qualquer participante.

No painel inicial do dia seguinte, Made in MIB/MEB,  foram relatados alguns percursos de alumni do curso de Bioengenharia, e como se adaptaram a um mercado de trabalho em constante evolução. A manhã contou ainda com o painel Technological Bonding, que explorou a ligação que a tecnologia pode ter com as emoções humanas, e a forma como estes sistemas podem ser desenhados para melhorar as capacidades dos utilizadores.

Durante a tarde ocorreram os painéis Switch on Regeneration e Level Up Pharma, tratando o primeiro de métodos de biofabricação, estímulos eléctricos e biomateriais, e o segundo de inovações farmacêuticas que podem ajudar na guerra contra infeções bacterianas e virais.

O último dia do evento ficou marcado por quatro painéis, Bioclairvoyance: Predicting Diseases, Towards Biosensitivity, Biofuel for Tech and for Us e Bioengineering Evolving: Envision Pandemics, e ainda com o concurso Science Under 5’, que deu oportunidade aos participantes de exporem o seu trabalho a uma ampla audiência, constituída tanto por estudantes como por figuras proeminentes nas áreas da Bioengenharia. O primeiro painel caracterizou o uso de biomarcadores e redes neuronais convolucionais na deteção antecipada de doenças, uma área com cada vez mais relevo no campo da saúde. O painel seguinte incorporou pesquisas multidisciplinares entre a química, biologia e engenharia, com o objetivo de criar novos tipos de sensores, necessários para os desafios que um bioengenheiro possa enfrentar. Em relação aos painéis da tarde do último dia, o primeiro, Biofuel for Tech and for Us, retratou uma das maiores preocupações atuais, o desenvolvimento sustentável. A procura por recursos energéticos alternativos presente neste painel vai desde as fontes biológicas de menor dimensão – as células – até às de grande dimensão, como os resíduos de processos biotecnológicos. Por fim, o último painel do evento descreveu um tema presente na vida de cada um, a situação pandémica presente no mundo. Neste, para além de ser apresentado um contexto histórico de pandemias, foram expostas algumas possíveis ferramentas para auxiliar no controlo e monitorização das mesmas.

Finalizado o simpósio, a ANEEB felicita o Núcleo de Estudantes de Bioengenharia na sua capacidade de adaptação para um formato online, sem sacrificar as atividades usuais do Symposium on Bioengineering, e espera estar presente em edições futuras.

Categorias: Notícia