Entrevista a Luís Venâncio - Erasmus

A ANEEB teve o prazer de entrevistar um dos alunos que está atualmente a frequentar o 5ºano do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL em Lisboa, Luís Venâncio, no dia 25 de agosto de 2019, tendo tido oportunidade de fazer Erasmus Estágio em Bristol, Inglaterra, no Bristol Robotics Laboratory.

[Entrevistador] – Luís Leston (ANEEB)
[Entrevistado] – Luís Venâncio

[Entrevistador] – Antes de mais, obrigado em nome da ANEEB por teres aceite este convite e por teres disponibilizado um pouco do teu tempo para esta entrevista.

[Entrevistador] – Quando realizaste a tua experiência?

[Entrevistado] – Realizei o meu estágio no verão de 2018.

[Entrevistador]– Onde realizaste a experiência e porquê essa escolha?

[Entrevistado] – Realizei a minha experiência em Bristol, em Inglaterra, no Bristol Robotics Laboratory tanto pelo renome do instituto como também pela qualidade reconhecida nesta vertente pela qual tenho interesse, Robótica e Programação. Inglaterra também era um país que tinha interesse em conhecer.

[Entrevistador] – Quais sentiste que foram as tuas maiores dificuldades a nível burocrático?

[Entrevistado] – Eu consegui tratar de tudo com relativa facilidade através da FCUL até porque é prática comum as pessoas do meu curso fazerem estágio internacional nesta altura, portanto todos temos problemas comuns e já sabemos os aspetos críticos do processo de mobilidade.

[Entrevistador] – Foi fácil comunicar com os coordenadores de Erasmus tanto na FCUL como em Bristol?

[Entrevistado] – Foi relativamente fácil, tanto durante como antes da mobilidade, senti que tinhas bastante apoio.

[Entrevistador] – Quanto ao alojamento, como se procedeu?

[Entrevistado] – Eu fiquei alojado primeiro 2 semanas num hostel e depois numa residência em Bristol. O preço era elevado, comparando o padrão português, e mesmo com a bolsa de Erasmus foi necessário fazer um investimento pessoal.

[Entrevistador] – Em relação ao nível de vida do país sentiste diferença face a Portugal?

[Entrevistado] – Em Inglaterra, as coisas são mais caras, mas também senti que era um país mais organizado, com melhores salários e, no geral, com uma melhor qualidade de vida.

[Entrevistador] – Tiveste de fazer seguro de saúde?

[Entrevistado] – Tive de levar o Cartão Europeu de Saúde, que era suficiente.

[Entrevistador] – Quanto à língua, sentiste alguma barreira?

[Entrevistado] – Não, o inglês sempre foi um idioma em que tive relativa facilidade por isso correu tudo bem nesse aspeto.

[Entrevistador] – Se soubesses o que sabes hoje terias feito algo diferente?

[Entrevistado] – Teria talvez procurado alojamento com mais tempo.

[Entrevistador]– O que sentes que retiraste desta experiência de mais-valia?

[Entrevistado] – A nível profissional aprendi a trabalhar com Unity, C#Sharp e fiz um  projeto muito útil, o laboratório tinha bastantes recursos.

A nível pessoal, aproveitei para viajar por cidades como Bristol, Londres, Bath, Cardiff, entre outras, assim como para desenvolver algumas competências de interação num país diferente.

[Entrevistador] – O que aconselharias a alguém que estivesse interessado a ir para Bristol?

[Entrevistado] – Aconselharia a tentar conciliar o desenvolver amizades, sair à noite e viajar com o estudo e aprendizagem de conteúdos muito interessantes que se ensinam com mais facilidade lá. No fim, para aproveitar a experiência.

A ANEEB agradece por teres aceite esta entrevista e pela partilha da tua experiência fora de Portugal, esperando com isto ajudar outros estudantes que estejam prestes a tomar esta decisão. Votos de sucesso!

CLASSIFICAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Acessibilidade Linguística: 90

Clima: 60

Custo de vida face a Portugal: 35

Oportunidades Culturais: 70

Vida Social/Noturna: 75

Meio Académico: 80