Nos passados dias 12 e 13 de dezembro, a ANEEB esteve presente no “New Challenges in Medical Physics” na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), no âmbito do “UT Austin Portugal Program”. Este evento, que teve como objetivo promover oportunidades de networking e discussão de alguns dos tópicos mais relevantes na área Física Médica atualmente, foi organizado em parceira com a FMUC e o Institute for Clinical and Biomedical Research (iCBR), em particular com o grupo de Environment, Genetics and Oncobiology (CIMAGO). O encontro juntou em Coimbra especialistas na área da terapia com protões, radiobiologia, imunoterapia, entre outras, tanto de universidades portuguesas quanto da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center (MDACC) e do German Cancer Research Center (DKFZ).

O primeiro dia começou com uma mesa redonda, estando presentes professor António Paulo do Instituto Superior Técnico, que falou sobre o trabalho recente que têm vindo a realizar no âmbito da utilização de nanopartículas de ouro como agentes radiossensibilizadores em radioterapia com foco em cancro da próstata, professor Filipe Caseiro Alves do Hospital da Luz, que apresentou o seu trabalho em novos biomarcadores de imagem e o seu papel na oncologia moderna, introduzindo o tópico de Radiomics e análise de textura em diferentes modalidades de imagem, passando por Diffusion Weighted Imaging, Perfusion Imaging, Computer Tomography, entre outras. Esta mesa redonda contou ainda com uma palestra do professor João Casalta Lopes, do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, moderada pelo Dr. João Pedroso de Lima da FMUC e pelo Dr. Steven Hsesheng Lin do MDACC, acerca das últimas inovações em radioterapia, entre estas radioterapia adaptativa, terapia com protões e iões pesados, imunoterapia, radiomics entre outras.

Mais tarde, o evento contou com dois oradores keynote: o Dr. Steven Hsesheng Lin, que falou sobre estratégias para diminuir a linfopenia induzida por radiação e, consequentemente, aumentar o sucesso do tratamento de cancro. O Dr. Lin focou o facto de que a radiação tem um efeito negativo no sistema imunitário humano, matando os linfócitos que são ao mesmo tempo as células mais sensíveis à radiação e as mais importantes no auxílio da destruição do tumor, sendo de extrema importância encontrar estratégias eficazes para combater e linfopenia. Essas estratégias passam por 2 fases: em primeiro lugar identificação à priori dos doentes que sejam predispostos a desenvolver linfopenia e em segundo lugar, tentar reverter os danos, por exemplo com a introdução de linfócitos exógenos. O segundo orador keynote foi o Dr. João Seco, do DKFZ, que palestrou sobre um dos tópicos mais badalados da física médica na atualidade: a terapia com feixe de iões. O orador começou por focar a vantagem do tratamento com iões vs fotões dada a possibilidade de localizar melhor a dose de radiação ao doente, poupando consideravelmente mais os órgãos de risco à volta do tumor, quando comparando com tratamento com fotões, devido ao pico de Bragg que é apresentado pelo feixe de iões quando este interage com a matéria. O palestrante referiu ainda a vantagem dos níveis de oxigénio não serem limitadores na terapia com iões, especialmente quando são utilizados iões de oxigénio, introduzindo brevemente alguns avanços na nova tecnologia flash, que têm como objetivo dar uma taxa de dose altíssima praticamente instantaneamente.

Por fim, uma segunda mesa redonda, desta vez mais focada nos princípios de Radiobiologia e Dosimetria, que contou com a presença da Dra. Maria Filomena Botelho do ICBR-CIMAGO, FMUC, do Dr. Luís Freire da Escola Superior de Tecnologia e Saúde de Lisboa e da Dra. Paula Alves do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil, terminando com uma intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Dr. Manuel Heitor, que focou a importância e relevância da investigação em Portugal na área da Física Médica e a abertura do país a colaborar com instituições de renome a nível internacional.

Uma mesa redonda centrada em terapia de partículas deu início ao segundo dia do evento, contando com a intervenção do Dr. Paulo Crespo, da Universidade de Coimbra, que falou sobre uma técnica para monitorização do feixe na terapia de protões com recurso a Orthogonal Prompt-gamma imaging, com o Dr. Pedro Vaz, do IST, que abordou a radioproteção e investigação num centro de protões, focando a necessidade de proteção radiológica para os neutrões secundários emitidos pelo feixe de protões, e a Dra. Cátia Pedro do IPO de Lisboa, refletindo sobre as limitações à aplicação clínica da terapia de protões, referindo que o tipo de doentes que beneficiam mais desta nova tecnologia são doentes pediátricos ou doentes com tumores na coluna espinhal, reforçando a necessidade de pesquisa para colmatar as ainda grandes incertezas neste tratamento.

O último orador keynote foi o Dr. X. Ronald Zhu do MDACC introduzindo o tema das bases físicas por trás destas novas tecnologias de tratamento com protões e iões pesados. 

Este foi um evento de elevada qualidade que promoveu uma área em crescente desenvolvimento a nível mundial. A ANEEB quer assim congratular os organizadores pela iniciativa e incentivar a todos os leitores e alunos a procurar mais sobre o programa com a UT Austin e sobre esta nova área, pois ainda há muito para descobrir e explorar no que toca à luta contra o cancro.

Categorias: Notícia