Este artigo faz parte de uma série de artigos redigidos por colaboradores do Departamento de Ensino e Ação Social da ANEEB. Apoie o autor lendo o artigo no seu LinkedIn.

O grafeno é um material revolucionário descoberto acidentalmente em 2004 por dois físicos russos, André Geim e Konstantin Novoselov, tanto que lhes valeu o prémio Nobel da Física. Este composto é um semi-metal alótropo do carbono, ou seja, trata-se de uma rede cristalina de carbono assim como o diamante e a grafite, no entanto, destaca-se destes devido à sua diferente estrutura cristalina.

O grafeno é o material mais fino do mundo e a sua estrutura consiste numa camada bidimensional de átomos de carbono organizados numa estrutura hexagonal, com altura de um átomo, sendo assim o único material realmente “2D” do mundo. Esta estrutura hexagonal e a fina espessura conferem a este material propriedades físicas como boa resistência mecânica e condutividades térmica e elétrica.

Como propriedades mecânicas, é o material mais resistente já conhecido, sendo 200 vezes mais forte que o aço; é bastante flexível e também muito leve. Como propriedades elétricas, pode-se referir que é o melhor condutor elétrico conhecido, possuindo a mais baixa resistividade elétrica, onde os eletrões deslocalizados movem-se a velocidades próximas da luz. A nível de propriedades térmicas, o grafeno é um excelente condutor térmico, capaz de dissipar calor mais rapidamente do que qualquer outro material conhecido.

Estas características fazem do grafeno um dos mais promissores materiais, podendo ser utilizado nas mais variadas aplicações: dispositivos como telas de LED dobráveis, células fotovoltaicas (painéis solares), telas sensíveis ao toque mais resistentes, transistores mais eficientes, supercondensadores, dissipadores de calor e superbaterias são alguns exemplos de tecnologias possíveis por meio da aplicação do grafeno.

A nível de aplicações biomédicas, o potencial de aplicação deste material é vasto. Em 2020, deverá chegar ao mercado uma cadeira de rodas mais leve e resistente, com recurso ao grafeno. Esta será mais fácil de transportar e empurrar e, consequentemente, evitará mais lesões a nível dos ombros. Uma pesquisa desenvolvida no Instituto de Biologia (IB) da Unicamp constatou que o óxido de grafeno reduzido (rGO), promove a abertura transitória da barreira hematoencefálica, estrutura que protege o sistema nervoso central. Esta descoberta abre perspectivas para o uso do rGO como auxiliar para o uso de fármacos no tratamento de doenças como Alzheimer, Parkinson e gliomas (tumores cerebrais), para além de que é menos tóxico do que os nanotubos de carbono, atualmente utilizados.

Outro estudo recentemente publicado revelou também que o óxido de grafeno pode ajudar a combater as cáries dentárias e as doenças da gengiva, no sentido em que permitem eliminar algumas bactérias da cavidade oral, as quais já podem ter ganho resistência a antibióticos.  Alguns estudos já haviam demonstrado que o óxido de grafeno poderia ter várias aplicações biomédicas, inibindo o desenvolvimento de algumas bactérias com consequências mínimas para o organismo dos mamíferos.

Atualmente, o desafio está em encontrar métodos mais baratos e eficientes de obtenção e produção deste material, procurando uma diminuição do seu preço elevado no mercado.

Em suma, o grafeno é um material do “futuro”, que poderá ser utilizado em diversas áreas e contribuir para a evolução destas. Segundo as previsões, em 10 anos, o mercado do grafeno será um dos mais rentáveis do mundo. O mundo está a mudar e o grafeno fará certamente parte desta revolução científica.

Bibliografia:

-Educação, M., Física, C. and tecnológicas., O. (2019). Grafeno – Mundo Educação. [online] Mundo Educação. Available at: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/grafeno.htm [Accessed 30 Mar. 2019].

-Durães, M. (2019). Leve e resistente, esta cadeira é para quem vive sobre rodas e quer ser mais activo. [online] PÚBLICO. Available at: https://www.publico.pt/2019/02/06/p3/noticia/leve-e-resistente-esta-cadeira-e-para-quem-vive-sobre-rodas-e-quer-ser-mais-activo-1860797 [Accessed 30 Mar. 2019].

-Durães, M. (2019). Leve e resistente, esta cadeira é para quem vive sobre rodas e quer ser mais activo. [online] PÚBLICO. Available at: https://www.publico.pt/2019/02/06/p3/noticia/leve-e-resistente-esta-cadeira-e-para-quem-vive-sobre-rodas-e-quer-ser-mais-activo-1860797 [Accessed 30 Mar. 2019].

-Unicamp.br. (2019). Grafeno é usado em pesquisa sobre sistema nervoso central | Unicamp. [online] Available at: https://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/02/17/grafeno-e-usado-em-pesquisa-sobre-sistema-nervoso-central [Accessed 30 Mar. 2019].

-Mfrural.com.br. (2019). Jazida de grafeno em Brasilândia (Araguaína) TO Vender Comprar Jazida de grafeno. [online] Available at: https://www.mfrural.com.br/mobile/ClassificadosAnuncio.aspx?id=281877&titulo=jazida-de-grafeno [Accessed 30 Mar. 2019].

Categorias: Artigo