Foi na passada terça feira, dia 19 de março, que a ANEEB teve o prazer de estar presente no primeiro dia do eHealth Summit, em Lisboa.

Pelas 10h da manhã, Henrique Martins, dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, deu início à sessão de abertura apelando à inovação na saúde. Referiu ainda que a exigência será fulcral nesta nova era, invocando segurança e qualidade nas novas tecnologias. Paralelamente, salientou também que, apesar de esta viagem se iniciar com uma visão próspera, é necessária a consciencialização de que nem tudo está bem e que existe ainda um longo caminho a percorrer.

Na palestra intitulada de “Liderança e Governação Clínica: Um Compromisso com o SNS”, a Drª. Teresa Magalhães, moderadora deste debate, destacou que o SNS do futuro necessitará de engenheiros biomédicos e data scientists, de medicina preventiva e de precisão. Seguidamente, na sua apresentação, o Dr. Carlos Nunes (ARS Norte e CNCSP), definiu o termo liderança como “saber alcançar resultados através de pessoas” e que para governar é necessária uma estrutura organizativa clara. Deu especial relevância ao facto de entre um ponto de partida e de chegada deverá haver informação, conseguida através de uma ferramenta com uma determinada estrutura e altamente funcional (que seja acessível, disponível rapidamente e que permita a sua exploração). Destacou ainda que toda essa informação deve permitir diferentes olhares e diferentes níveis de gestão, devendo haver autonomia para avaliar e melhorar. Por fim, mostrou os dados clínicos do BI dos Cuidados de Saúde Primários, dados estes que estão disponíveis a partir da próxima sexta feira, dia 22 de março.

De seguida, o Dr. Rui Guimarães, do Hospital Santa Maria Maior, enunciou os 6 ramos da governação clínica – Auditoria clínica, eficácia clínica, desenvolvimento e investigação, abertura, gestão de risco e ensino – reforçando a ideia de que sem estes conceitos bem executados, não existe uma correta governação clínica.

Em “Smart Decision: A Inteligência Artificial nos Cuidados de Saúde”, a Drª. Sofia Couto da Rocha, o Dr. Vasco Antunes Pereira e a Drª. Eva Antunes, debateram acerca do papel da inteligência artificial (IA) na vida de um profissional de saúde. Salientou-se o facto da IA ser um auxílio às decisões de um médico e não uma substituição deste, tornando-a de melhor qualidade. Foi também realçado de que já existem atualmente muitos dados clínicos, no entanto, estes necessitam ainda de ser trabalhados. Assumindo que IA também poderá cometer erros (e já comete), enalteceu-se o facto de ainda não existirem bases de dados para qualificá-los, no entanto, é importante aludir que, em última instância, a decisão é do médico, contornando relativamente o obstáculo do erro automático. Por fim, foi ainda destacado e apelado o envolvimento pelos profissionais de saúde no processo de implementação dos sistemas de IA, pois tal consciencializará estes do tipo de ajuda que estes sistemas podem oferecer na smart decision.

De referir ainda o enorme número de palestras que decorrem na PT Meeting Center e na Sala Tejo ao longo deste evento, com destaque ainda para a feira de empresas e startups, com as quais o público pode interagir.

A ANEEB congratula toda a organização do evento, e parabeniza ainda a Startup Village, um espaço para startups promovido pela Lab To Market.

Categorias: Notícia