Decorreu, entre os dias 25 e 29 de junho, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, a Summer SchoolUPTEC Future of Computing”, na qual a ANEEB esteve representada por um dos seus membros, que participou ativamente durante essa semana. A organização do evento contou com Luís Sarmento (Investigador nas áreas de Machine Learning e Artificial Intelligence), Clara Gonçalves (Diretora Executiva da UPTEC), Cláudia Silva (Tech Business Developer na UPTEC), Paulo Aguiar (Investigador e líder do grupo de investigação “Neuroengineering and Computational Neuroscience”, no i3S), Manuel Barbosa (Professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto) e Ariel Guerreiro (Professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto). O objetivo desta semana consistiu em proporcionar aos participantes uma série de palestras sobre a história da computação e o estado da arte em termos de métodos alternativos à mesma. Pretendeu-se também elaborar uma antevisão do futuro da computação e da inteligência artificial, através de um painel de oradores nacionais e internacionais de renome.

A semana começou com uma introdução à história da computação e uma antevisão para o possível futuro da mesma, feita por Paul E. Ceruzzi, e com uma palestra sobre supercomputação e os desafios que ela representa, dinamizada por Sadaf R. Alam. O segundo dia começou a introduzir temas alternativos à computação convencional, começando com Luca Cardelli, que abordou o tema da programação molecular e da sua importância. Este tópico foi finalizado por Carmen G. Almudever e Alexandre Zagoskin, que trouxeram à discussão, respetivamente, os tópicos de computação quântica e da influência da física quântica nos paradigmas convencionais de computação. O terceiro dia continuou a viagem pelas formas alternativas de computação, onde Koen Bertels abordou a aplicabilidade da computação quântica à sequenciação genética, enquanto Giacomo Indiveri e Karlheinz Meier explicaram as semelhanças entre o cérebro e o computador, e a importância das mesmas no âmbito da computação neuromórfica. O quarto dia foi inteiramente dedicado à computação química, entusiasticamente apresentada por Peter Dittrich e Jerzy Górecki, que abordaram a infinidade de possibilidades que este paradigma concede. Elvira Fortunato contribuiu também para a partilha, abordando a temática dos materiais inteligentes e formas de tornar essa indústria sustentável. No final do dia, os participantes foram surpreendidos com uma palestra e improvisação artística de Heitor Alvelos, que alertou para a velocidade de evolução do mundo e das consequências que isso poderá ter no futuro.

Tinha sido pedido aos participantes que, durante a semana, fossem pensando em ideias inovadoras e disruptivas, e que formassem equipas para um Hackathon. No final do quarto dia foi altura de colocar mãos à obra e desenvolver as ideias, que seriam apresentadas no último dia, perante um painel de júris. No último dia houve ainda oportunidade de ouvir Arlindo Oliveira, que falou sobre o futuro e desenvolvimento da Inteligência Artificial e das Mentes Digitais. A semana foi encerrada com um debate, moderado por Ariel Guerreiro, entre um painel constituído por diversas personalidades: Filipe Araújo (Câmara Municipal do Porto), Liliana Ferreira (Fraunhofer Portugal), Cristina Fonseca (Fundadora da Talkdesk) e Arlindo Oliveira.

Não faltou espaço para conhecer novas pessoas, culturas e países. Foi, de facto, uma semana onde muito se falou de conceitos aplicáveis à Engenharia Biomédica, pelo que a ANEEB endereça um agradecimento à organização.

Categorias: Notícia