Foi com grande orgulho que a ANEEB marcou presença, no passado dia 28 de Setembro, na cerimónia de apresentação do Fórum Nacional de Estudantes de Saúde (FNES) que decorreu no auditório dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

O evento contou com a presença da Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM), Associação Nacional de Estudantes de Nutrição (ANEN), Associação Nacional de Estudantes de Psicologia (ANEP), Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF), Federação Académica de Medicina Veterinária (FAMVet) e Federação Nacional de Associações de Estudantes de Enfermagem (FNAEE), da secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e do presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) para a assinatura do acórdão que contou com transmissão em direto no site da APEF. Entre os presentes na cerimónia destaca-se o presidente do Conselho Nacional da Juventude (CNJ) e do deputado do Partido Socialista Professor António Quintanilha.

Agradecimentos

A ANEEB gostaria de agradecer ao FNES o convite para a cerimónia de apresentação. Aos SPMS agradecemos o facto de receberem o evento e permitirem um franco debate com os demais presentes, pela mão do seu Presidente Henrique Martins que forneceu aos jovens dirigentes associativos valiosas dicas.

Com este primeiro passo dado pelo FNES, a ANEEB (e os seus associados efectivos) poderá estar apta a integrar este grupo de discussão que terá um papel decisivo na formação dos profissionais de Saúde que estão cada vez mais sensibilizados para a dimensão multidisciplinar da Saúde e na qual a Engenharia Biomédica terá um papel.

Preâmbulo da Cerimónia

Fomos recebidos impecavelmente pela organização através do Manuel Talhinhas (APEF) que nos deixou à vontade para conhecer os cantos à casa. Estivemos à conversa com o Hugo Carvalho, atual presidente do CNJ no qual falamos sobre as suas recentes iniciativas no Encontro Nacional da Juventude, entrevista no Maluco Beleza e presença no Fronteira XXI sobre Tecnologia.

Ainda houve tempo para uma excelente conversa com o Professor Alexandre Quintanilha, onde falamos sobre o estado da educação em Portugal e o facto de nos cursos se privilegiar em demasia a valorização curricular em que os alunos dão maior valor a uma boa nota que a um bom professor. Concretizou-se esta opinião no facto de haver poucas disciplinas optativas e as que há se darem maioritariamente na mesma faculdade o que impede os alunos de se exporem a outros pontos de vista que não os da sua classe. Da minha parte agradeci-lhe a frescura intelectual dos seus joviais 72 anos e por me ter ajudado a distinguir o verdadeiro do óbvio nas aulas de Biofísica.

Cerimónia de Apresentação

A secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Maria Teresa Rollo, começou por felicitar a iniciativa e realçar o ato de coragem das associações de estudantes que assinaram o acórdão. Como desafios principais destacou que o associativismo deveria encontrar um equilíbrio entre a defesa da classe e a defesa do bem comum, neste caso a Saúde. Destacou os avanços conseguidos na educação, com o aumento da escolaridade superior mas lembrou que 1 em cada 3 estudantes de 20 anos não está no Ensino Superior e que continuam a persistir assimetrias regionais e sociais. Defendeu ainda que a responsabilidade social científica se deveria traduzir na comunicação da ciência de forma assertiva para a população menos educada naquilo que chamou “deitar abaixo os muros da faculdade pela sociedade”. Conclui a sua exposição com dados preocupantes na população estudantil no qual que se deveria fomentar melhor a saúde na componente preventiva com foco na alimentação, hábitos de consumo (drogas e álcool) e prática de exercício físico. Neste último ponto alertou para o facto de menos de 10% dos estudantes ter algum tipo de prática desportiva corrente.

De seguida, o Diogo Silva, como dinamizador do FNES, explanou os motivos que o levaram a empreender esta iniciativa. O objetivo de base seria o de facilitar a comunicação entre os profissionais da saúde, numa ideia que foi maturada por 3 gerações de dirigentes associativos materializada com esta carta de princípios. Defendeu a natureza transversal da responsabilidade dos profissionais de Saúde para com o doente e o fomento da interação entre profissionais de forma a quebrar a perpetuação de vícios e preconceitos que podia ser materializada com a criação de um tutor de saúde. Realçou que as Ordens, Organizações Profissionais, Governo e agentes decisores deveriam ter mais foco no papel operacional da saúde e aprender com as boas práticas de alguns profissionais que transpõem essas barreiras. Com esta iniciativa pretende-se que os estudantes deixem de ser agentes passivos na sua educação e atividade profissional e procurem suprir as lacunas de Responsabilidade Social, Investigação e Código Deontológico.

Deu-se início à leitura da carta de princípios, missão do FNES que foi seguida da chamada dos presidentes das associações: Ana Rita Ramalho (ANEM), Marta Neves (ANEN), Tiago Fonseca (ANEP), Diana Carvalho (APEF), Xavier Canavilhas (FAMVet) e Fábio Teixeira (FNAEE) para a assinatura do acórdão.

O fecho da cerimónia coube ao Presidente dos SPMS, Professor Doutor Henrique Martins que se mostrou orgulhoso por receber a iniciativa. Congratulou os presidentes pela iniciativa que pode solucionar algumas divergências entre classes graças a este diálogo precoce dos alunos. Lembrou que os SPMS estão a ser alvo de uma crescente informatização dos serviços e que esta permite uma maior transparência dos serviços prestados lembrando que diferentes profissionais de saúde ou regiões têm terminologias diferentes e até diagnósticos conflituosos. Confessou também alguns dos seus riscos nomeadamente o de ataques informáticos, que já levou ao pagamento de um resgate em bitcoins e que estavam a ser empenhados esforços em conjunto com a Comissão Nacional de Proteção de Dados de forma a mitigar estas ameaças. Salientando a maior abertura do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que abriu página de Facebook, apelou a que deixássemos o nosso gosto naquele que considera ser um ato de coragem. Apelou ainda a que os Estudantes com competências em Informática fossem chamados para o diálogo no FNES, passo esse que já foi dado pela FNES ao endereçar o convite à ANEEB.

Aberturta do Bolo

Finda a cerimónia de apresentação, comemorou-se a ocasião com a abertura do bolo da FNES que contou com o contributo de todos os presidentes das associações de estudantes. Não faltou bolo para ninguém e houve quem repetisse.

O Dr. Henrique Martins mostrou-se sempre muito disponível quer para o diálogo com todos os presentes onde deu valiosas dicas para os próximos passos do FNES, quer para as habituais fotos de grupo. Em conversa, com o mesmo constatamos que é apreciador da informatização crescente e consolidada (ciber-segurança) do SNS e de técnicas avançadas de análise de dados (aprendizagem automático ou “machine learning”) com as quais um Engenheiro Biomédico está familiarizado.

Estivemos ainda à conversa com o Tiago Fonseca e Xavier Canavilhas onde esboçamos algumas iniciativas conjuntas. Não nos despedimos da cerimónia sem roubar uma foto aos demais presidentes até para lhes agradecer o gesto.

Categorias: Notícia