A INTERFACE ENTRE A ENGENHARIA E A MEDICINA COMEÇA AQUI!


 

A Engenharia Biomédica é uma área que integra princípios das ciências exatas e ciências da saúde, desenvolvendo abordagens inovadoras aplicadas, sobretudo, na prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças.  Esta área da Engenharia encontra-se em grande expansão e dedica-se ao desenvolvimento de dispositivos médicos ou tratamentos inovadores, como próteses, máquinas de ressonância magnética, biofabricação ou software clínico.

A Engenharia Biomédica é uma área multidisciplinar que alia matemática e física com técnicas de engenharia eletroténica, mecânica, química, materiais, informática e as conjuga com conhecimentos de biologia e medicina. As áreas de especialização de Engenharia Biomédica incluem: “Engenharia Clínica”, “Imagiologia e Física Médica”, “Robótica e Instrumentação Clínica”, “Informática Médica”, “Engenharia de Células e Tecidos” e “Reabilitação e Biomecânica”.

Esta multidisciplinaridade permite ao Engenheiro Biomédico desempenhar funções em hospitais e clínicas (administração hospitalar e engenharia clínica), indústrias e empresas da área médica (elaboração e desenvolvimento de novos equipamentos) e universidades (investigação).

"THE NEXT STEP OF HUMAN EVOLUTION"

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Engenharia Clínica

A Engenharia Clínica foca-se na gestão de tecnologias de saúde usando conhecimentos de engenharia, gestão e competências transversais, para proporcionar uma melhoria nos cuidados dispensados ao paciente. De entre as diversas saídas profissionais, um engenheiro clínico pode, fazer a avaliação tecnológica de dispositivos médicos, assegurar o cumprimento dos requisitos de qualidade e dar formação tecnológica a profissionais de saúde.

Imagiologia e Física Médica

A  área da imagiologia e física médica está diretamente ligada à obtenção de imagens médicas para fins diagnósticos e terapêuticos utilizando biomarcadores, ultrassons, radiofrequências e radiações ionizantes e não ionizantes que auxiliam o melhoramento da imagem e salientam características específicas que se pretendam analisar, utilizando conhecimentos de física, matemática e biologia.Em ambas as áreas, um engenheiro biomédico poderá dedicar-se, à melhoria ou recuperação dos equipamentos, ao processamento das imagens adquiridas, ter intervenção nas dosagens administradas aos pacientes e ainda criar tratamentos inovadores como a libertação de fármacos por sujeição a um campo eletromagnético. Poderá existir uma envolvência de um engenheiro biomédico com dispositivos com escalas de micro ou nano para a deteção de doenças

Robótica e Instrumentação Clínica

A área de robótica e instrumentação clínica tem como objetivo o auxílio aos profissionais de saúde no diagnóstico, monitorização e tratamento dos pacientes através do desenvolvimento de sistemas e equipamentos, utilizando conhecimentos de eletrónica, programação e processamento de sinal. Um profissional desta área pode trabalhar em cirurgia robótica, onde cooperará com a equipa médica no planeamento e execução da cirurgia com a utilização de robots e sistemas de processamento de imagem; no desenvolvimento de sensores para a captação de sinais biológicos, entre muitos outros exemplos.

Informática Médica

A Informática Médica é um ramo da Engenharia Biomédica que têm como objetivo satisfazer as necessidades de informação e comunicação de unidades de serviços de saúde, adquirir competências na área da Informática e Matemática com foco no processamento de grandes dados e inteligência artificial (Data Mining e IA). Um profissional nesta área pode desenvolver TI (Tecnologias de Informação) em ambiente hospitalar, nomeadamente no que diz respeito à Integração de Sistemas de Informação, ao Processo Clínico Electrónico, aos Sistemas Inteligentes e de Apoio à Decisão, à Imagiologia.

Engenharia de Células e Tecidos

A Engenharia de Células e Tecidos é um ramo da Engenharia Biomédica que deverá ter um conhecimento de biologia, materiais e modelação multi-física para mimetizar as condições fisiológicas de tecidos e órgãosNesta área, um Engenheiro Biomédico, poderá investigar novos materiais e técnicas de criação de fragmentos de órgãos para implantação no paciente ou até mesmo criar todo um órgão artificial. Poderá ainda, dedicar-se à concepção de formas de persuadir o corpo a curar-se a si próprio, por exemplo, através da manipulação de sinais moleculares, células e estruturas de suporte.

Reabilitação e Biomecânica

A Reabilitação e Biomecânica é um ramo da engenharia Biomédica no qual a mecânica é aplicada à biologia e medicina, para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com incapacidades físicas. Entre várias saídas que esta área pode proporcionar, encontram-se o desenvolvimento de próteses, de novos materiais e conceber dispositivos médicos (como cadeira de rodas ou exoesqueletos), sistemas de comunicação alternativa ou até de corações artificiais a partir do estudo prévio da dinâmica dos fluidos no sangue.